quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Paz, Please!

O que por muitos anos foi considerado apenas brincadeira de criança, sem grandes consequências, agora está sendo visto como crime aqui nos EUA. Já não era sem tempo das autoridades perceberem que o "bullying" tem gravíssimas consequências, especialmente na auto estima das crianças que crescem para se tornarem adultos agressivos, isolados e até com severos problemas de saúde física e mental.

O país estava em choque há alguns meses atrás, quando um universitário de New Jersey pulou da ponte George Washington após ser perseguido por alguns colegas por ser gay. Não foi o primeiro caso de suicídio em consequência de bullying e infelizmente talvez não seja o último.

Nova York é uma cidade que, especialmente após 9/11, quer se manter unida e fazer com que todos os seus habitantes sejam respeitados. Aqui não é o lugar para ninguém colocar seus preconceitos para fora, todo mundo tem seu lugar ao sol. Como têm acontecido vários casos absurdos de agressões a gays, a cidade começou uma campanha que eu abraço: A diversidade é seu maior ponto forte, um crime contra um é um crime contra todos.

Pois é, aos bullies, preconceituosos, seguidores de Hittler e afins mando a seguinte mensagem: Cai fora que seu lugar não é aqui! Talvez lá nos quintos dos infernos.

7 comentários:

Pat in NYC disse...

A D O R E I !!!

Paula Duailibi Homor disse...

é isso ai!

Taiz Borges disse...

Não consegui ler o cartaz direito mas não interessa, apoio totalmente! Aliás qualquer tipo de discriminação é um absurdo! Tolerância minha gente, deveria ser a palavra de ordem!

Fernanda disse...

Assino embaixo!

Larissa disse...

Apoio 100%

armário de cores disse...

Tô nessa. E até hoje não entendo a cabeça de alguém que se acha superior e melhor do que o outro. E por incrível que pareça, minha filha aos 6 anos já está passando por isso no colégio. As coleginhas chamando ela de macaquinha, por que ela tem a orelhinha um pouquinho pra fora. Peguei ela no espelho se olhando, levantando o cabelinho, e me perguntou se eu achava que ela tinha orelha de macaquinha. Claro que eu não podia ser falsa com uma das pessoas que mais amo na vida. FAlei somente que ela era a macaquinha mais linda que eu conhecia, e se isso a incomodava. Ela disse que não. Então, eu disse, fala para suas amigas, que vc não se importa, que vc é feliz, e tem coisa mais interessante na vida, do que ficar reparando defeito nas pessoas. E daquele di em diante sempre converso com ela sobre essas coisas, e principalmente dela em relação às amiguinhas. cho que falta um pouco disso nas famílias. Ensinar a se respeitar e respeitar os outros. Ih, falei muito.

Bj grande.
Lele

milenamb disse...

Falou bonito Lele.
É em casa que se ensina. Pais amorosos vão criar crianças que crescem aprendendo a respeitar as diferenças. Inclusive as suas próprias.
bjos